A inclusão que também exclui

0
66

Dando continuidade aos nossos passos no mundo da inclusão, quero refletir com vocês hoje sobre a inclusão digital, mais especificamente a respeito do efeito “isolamento social presencial” que acompanha os usos – e abusos – das mídias sociais.

Lembro bem que no início da década de 1990, quando eu cursava o ensino médio no antigo CEFET (hoje UTFPR), utilizava o transporte coletivo para ir para a aula. Em cada parada, entrava um – dois – vários amigos, que estudavam no mesmo colégio ou de pegar todos os dias o ônibus no mesmo horário. A “regra” implícita entre todos era quem conseguia sentar levava a mala, mochila, pasta, sacola dos demais – e ficava soterrado, obviamente, atrás delas. Todos ficavam por perto do “carregador de malas da rodada” e o papo corria solto: conversa casual, a semana de provas, os muitos trabalhos e desenhos, jogos colegiais, algumas festas, paqueras e por aí afora. A integração acontecia de maneira automática, livre, sem preconceito algum, criando laços de amizade e de vivência capazes de acolhimento e dentro do qual a solidão não fazia sentido.

O tempo passou. A era da informática e dos eletrônicos ganhou campo, conquistou um espaço nunca antes imaginado e trouxe com ele toda uma gama de possibilidades – conhecimento, informação, agilidade, conectividade. É inegável os benefícios que a era tecnológica implantou na sociedade atual: encurtou distâncias, abrindo possibilidade para que pessoas de pontos geográficos diferentes possam se comunicar, não apenas de maneira escrita e em tempo real, mas também por voz e imagem. Derrubou fronteiras, aproximando pessoas de diferentes nacionalidades, habilitou a interatividade e o senso de globalização. Realmente, é gigantesca a contribuição que esse avanço trouxe ao mundo moderno.

mídia social
O homem e a conectividade digital

Dentre tantas opções, o telefone celular é o que maior destaque ganha, já que não apenas permite a comunicação via chamada; ao contrário, oferece um sem número de outras opções – geralmente as mais utilizadas: envio de mensagens SMS (quase em desuso) ou WhatsApp; interação e socialização virtual através do compartilhamento de ideais, gostos e feitos através do Facebook, Instagram, Twitter entre outros. Fora isso, há o uso do celular para ouvir música, jogar e até mesmo assistir a vídeos e programas da televisão.

Em 2016 utilizando algumas vezes o transporte coletivo, em meio a esse panorama digital acima descrito, transformei-me em uma passageira atenta e observadora do comportamento dos demais usuários. A maioria absoluta dos passageiros entra e sai dos ônibus com o celular nas mãos, falando nele, jogando, teclando ou ouvindo música – não há espaço para se perceber o outro, conhecer o outro, olhar nos olhos, dizer simplesmente “oi” ainda que muitas dessas pessoas se esbarrem quase todos os dias.

A audição, que no caso de se estar em meio a uma pequena multidão, serve como meio sensorial de alerta e proteção é totalmente prejudicada em quem coloca seus fones de ouvido e se isola em um mundo de músicas e outros sons. A visão fica focada apenas na tela do aparelho, que com sua magia de levar e trazer dados em tempo real, quase que hipnotiza seu usuário. Com a audição e a visão focadas em seus celulares, a atenção ao que acontece ao redor – especialmente no sentido de buscar proteger-se em situações de risco como um assalto ou mesmo orientar-se em relação a seu destino – por consequência, fica quase que inteiramente prejudicada. Ao estar com os sentidos distraídos do seu entorno, a pessoa torna-se alvo mais fácil de abordagens impróprias, sujeita a roubo e assédios.

Tão nocivos quanto, ou ainda piores, são os efeitos do distanciamento pessoal que esse uso/abuso dos celulares provoca. Ao mesmo tempo em que a pessoa está conectada conversando com alguém de outra cidade, estado ou mesmo de outro país, ela não consegue levantar os olhos e perceber a diversidade que tem a seu lado. Neste ponto me detenho um pouco mais sobre o adolescente, que não tem passado por essa convivência gostosa e sadia entre colegas e amigos dentro de um ônibus, por exemplo, que nem imagina o que seria o “carregador de malas da rodada”, que cada vez menos tem aprendido a compartilhar com quem está ao lado. Aquela cena protagonizada por mim e meus colegas na década de 1990, e que se repetia em quase todas as demais linhas de ônibus de Curitiba, se tornou apenas um recorte na memória daqueles que viveram aquele tempo, posto que não se repete mais nos dias atuais. Tem ao fundo um certo saudosismo, mas principalmente o que salta à percepção é a cada vez maior aptidão de interação com o outro virtual frente a maior incapacidade de interação com o outro presencial.

A conexão tão bem vinda, que me coloca em contato com pessoas a milhas de distância, é a mesma que me impossibilita de conversar e de conhecer quem está ao meu lado. Temos que estar atentos, pois já estamos criando barreiras para a interação física e aceitando a interação virtual como se fossem coisas absolutamente cabíveis desta forma. Em um restaurante, em uma reunião familiar, quantas vezes podemos ver os presentes conectados a seus celulares e mídias sociais e deixando de interagir com as pessoas que estão à sua volta?

São armadilhas que estamos criando, e devemos prestar atenção, pois estamos gerando sentimento de empatia pelo que está a léguas de distância, mas incapacidade de gestos de aproximação de quem está a centímetros de nossas mãos. Assim, a inclusão que me insere no meio social digital, que me permite ser visto por muitos, ter seguidores até – para minhas ideias, meus feitos ou efeitos – também é a mesma que permite que eu me torne invisível aos olhos do meu vizinho, do meu colega de escola ou de trabalho, da pessoa com quem divido um banco no transporte coletivo ou uma mesa na praça de alimentação do shopping.

inclusão
O mundo em conexão digital

Se você parar e observar com atenção, o cenário em muitos locais públicos é desolador, pois há muitas pessoas, mas tão pouca interação pessoal, direta, olho no olho…há muito vazio, muitos espaços a serem preenchidos – com olhares, sorrisos, palavras e mesmo silêncios cúmplices e acolhedores. Em muitos momentos estamos nos tornando seres individualistas – cada um com seu celular, seus mil e poucos “amigos” e/ou “seguidores” nas redes sociais, mas essencialmente sós em realidade.

Toda essa observação gera novas discussões. Mas, antes, é preciso cada um ler e reler, pensar e repensar a respeito, visualizar as cenas e a si mesmo, para que possamos nos engajar em novas conversas sobre a inclusão digital, que tanto tem nos deixado excluir e sermos excluídos, que tem criado o que chamei de “isolamento social presencial” e algo que venho estudando no consultório que poderíamos denominar de “fobia social digital”.

Namastê!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here