As dificuldades de visibilidade para micro, pequenas e médias empresas.

0
10
Social media marketing

Micros, pequenas e médias empresas e profissionais liberais possuem dificuldade de visibilidade e divulgação de suas empresas, produtos e serviços.

Cada vez mais as formas tradicionais das empresas alcançarem seus públicos estão ficando obsoletas e continuam caras. Nisso, o pequeno empreendedor e o profissional liberal ficam presos entre a publicidade tradicional e a ineficiente.

O advento das redes sociais melhorou esse aspecto, mas requer um pouco de estudo para que seja feito de forma eficiente e não existe um serviço com resultados concretos e de custo acessível.

O telemarketing, por exemplo, já foi uma inovação, mas hoje em dia as operadoras oferecem o serviço para bloquear este tipo de chamada.

Segundo último dado apurado pelo IBGE em abril de 2016, 54,4% dos brasileiros está atualmente conectado à internet. Com a maior conectividade, também aumenta a procura por produtos e serviços online.

Há mais concorrência, as pequenas empresas podem conseguir alcançar a visibilidade que antes apenas as gigantes alcançavam.

O mercado brasileiro está sempre com deficiência de prestadores de serviço que sejam realmente confiáveis. E isso é ótimo, pois a concorrência faz com que a qualidade dos serviços oferecidos aumente.

Com as redes sociais a todo vapor, os consumidores podem registrar suas experiências para que os próximos possam estar cientes e não tenham surpresas desagradáveis. Mas mesmo com essa evolução, as empresas que possuem mais capital ainda são as mais vistas.

Deixando um pouco de lado as redes sociais, a publicidade em grandes meios de comunicação ainda é muito cara no Brasil.

Um anúncio de aproximadamente 30 segundos não sai por menos de 100 mil reais nos horários de maior audiência nos principais canais de TV aberta do país (Globo, Record e SBT).

Um anúncio veiculado nas revistas impressas do grupo Abril tem um valor mínimo de R$ 25 mil e máximo de R$ 1 milhão, dependendo das especificidades e localização na página.

Temos disponíveis várias plataformas online que divulgam serviços, mas a mensalidade ainda pesa um pouco quando pensamos em um pequeno empreendedor, e também aquele empreendedor no início de sua jornada.

Contratar uma agência de publicidade e marketing para identificar tendências de mercado, auxiliar a definir objetivos, gerir metas e resultados e promover o crescimento também não sai barato.

Geralmente as agências pedem 20% sobre o orçamento da campanha, além de ter um valor mínimo para os trabalhos.

Dedicar um bom tempo ao estudo e ter bom senso podem ser soluções rápidas e práticas pra quem não pode desembolsar muito dinheiro.

Também pesquisar sobre o mercado e seu público contribui para organizar o plano de ação de forma que ele traga resultados satisfatórios. Nessa etapa, é importante conhecer algumas variáveis, como a idade e hábitos do consumidor.

Ainda há muito a ser trabalhado e desenvolvido em nosso país quando falamos a respeito de publicidade online, para que as coisas se tornem práticas, baratas e que atinjam o público certo em maior quantidade para micros, pequenas, médias empresas e profissionais liberais.

A publicidade online está cada vez mais dependente da inovação das plataformas digitais, e a tendência mundial é que as plataformas informem aos seus clientes exatamente aquilo que desejam saber, deixando menos margem para publicidade paga que não gera retorno.

Neste quesito, o Brasil ainda está engatinhando, pois, a publicidade ou é cara, ou é amadora.

O mercado nacional necessita de serviços de publicidade online direcionado e personalizado, principalmente levando em conta as perspectivas de retomada do crescimento do mercado nacional após a crise instalada em 2015.

A viabilidade do negócio depende grandemente da estratégia de marketing e da publicidade empregada para alavancar novos negócios e crescer exponencialmente.

“Se eu tivesse um único dólar, investiria em propaganda”.

Henry Ford

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here