Como anda o mercado de joias e semijoias no Brasil?

15
5412

Já estamos no fim do ano de 2016, e mesmo com a crise econômica que nosso país tem enfrentado nos últimos anos, o mercado produtor de joias, semijoias e bijuterias não pararam de trabalhar e continuam movimentando milhões de dólares ao ano. Esse mercado tem uma avaliação de crescimento de até 6% ao ano, e até 2020 as vendas do setor poderão chegar a US$ 250 bilhões anuais.

Respondendo à pergunta título desta matéria, uma pesquisa do SEBRAE do ano de 2015, considerou o mercado de joias e semijoias um dos mais promissores no país. Então, vamos aproveitar!

Nossas bijuterias criadas com tecidos, palhas, pedras e outros materiais orgânicos, movimentam US$45 milhões anualmente, e as joias folheadas a ouro ou prata movimentam US$55 milhões por ano. O segmento de joias folheadas brasileiras é composto em 95% por micro e pequenas empresas e 70% das exportações deste segmento, são para países ilustres no cenário mundial, como Estados Unidos, Alemanha, Canadá, Argentina, Peru e Colômbia.

E o motivo para o mercado joalheiro brasileiro se manter ativo e saudável, conta com diversos pontos importantes que devem ser observados e explorados por quem trabalha nessa brilhante área. Vamos ver uma breve análise do mercado consumidor de joias:

  • As mulheres continuam comprando semijoias e bijuterias mesmo em tempos de crise porque mantém uma ligação emocional com as joias e as associaram com uma questão de vaidade;
  • O empoderamento crescente das mulheres no mercado de trabalho também contribui para o crescimento dos segmentos focados na mulher;
  • O homem está cada vez mais presente como público comprador de joias e semijoias, adquirindo pulseiras, brincos, correntes, abotoaduras e outros artigos de adorno;
  • A Classe A, e principalmente a classe B, estão trocando o mercado de joias pelo de semijoias, devido ao aumento do custo de vida no Brasil;
  • O aumento do poder aquisitivo da classe C, D e E também é responsável pelo crescimento do ramo joalheiro;
  • Como ponto positivo para o Brasil no mercado internacional, o grande diferencial de nossas joias, é o design, que traz o dinamismo e a sensualidade presentes em nossa cultura;
  • A melhoria da qualidade e do padrão de produção de nossas joias também é um fator muito importante que nos mantém no mercado exportador, nos permitindo competir com mercados produtores tradicionais, como Itália, Hong Kong, Tailândia e Índia.

Mas, mesmo com todos esses pontos favoráveis, não podemos nos deixar levar pela confiança cega.

O mercado joalheiro precisa de muito investimento em capacitação, informação e tecnologia, porque ainda sofre com mão-de-obra pouco qualificada, desvalorização profissional, falta de comunicação entre a indústria e a mão-de-obra, baixa integração de empresas, dificuldade de acesso a financiamentos, poucas políticas públicas de incentivo ao setor, alto índice de informalidade tanto na produção quanto na comercialização das joias e semijoias, entre outros fatores que precisam ser corrigidos e melhorados dia-a-dia para não perdermos mercado e conseguirmos valorizar ainda mais o setor.
O designer de joias, é um profissional chave para o mercado, porque o processo de produção começa com a criação da joia, e para criar é necessário desenvolver a criatividade. A criatividade é uma competência humana, nasce com a gente! A capacidade de combinar, de inventar, de modificar, e também de gerar soluções inusitadas para problemas cotidianos (inclusive problemas de produção de joias) nunca será substituído por máquinas. Por isso esse profissional é tão importante no cenário joalheiro.

imagem-1

Atualmente esse profissional está desvalorizado, mas isso aconteceu porque a informação sobre tudo que ele precisa saber para atuar corretamente como Designer de Joias, não chega até ele. Os cursos são básicos e superficiais, e não abordam matérias que deveriam ser consideradas imprescindíveis para a qualidade desse profissional. E se esse profissional for qualificado, trará ainda mais valor para as empresas, para o mercado de joias como um todo e para si mesmo. A maioria dos produtores de joias não conhecem ou não sabem como utilizar esse tipo de informação para influenciar positivamente o saldo final dos lucros da empresa e o crescimento da marca como um todo.  Eles entram nesse mercado por ser lucrativo, e iniciam suas produções copiando joias existentes e sem saber que é necessário investir em conhecimento para o crescimento e sustentabilidade da marca a longo prazo.

Comunicação empresarial, administração, público alvo, estudo de mercado, tecnologias, valorização de mão-de-obra, o mercado industrial e comercial de joias, mercado internacional, ética profissional, valor e preço, tendência, etc., podem ser citadas como matérias básicas de estudo para o designer e para o produtor de joias. E comunicação empresarial está em primeiro, porque existe uma grande falha interna de comunicação, o que gera um grande obstáculo para o crescimento e desenvolvimento mais rápido deste setor.

imagem-2

Ok! Você já sabe sobre as dificuldades do mercado joalheiro, mas como eu sempre foco nas soluções, abaixo estão algumas sugestões direcionais para os pivôs do ramo joalheiro estudarem, aplicarem e continuarem crescendo e reluzindo no mercado nacional e internacional de joias e semijoias:

Para o produtor de joias

  •  Desenvolva da melhor maneira possível a sua fala. Sua comunicação é o cartão de visita para você vender, contratar, resolver problemas e motivar seus colaboradores em dar o melhor deles para sua empresa!
  • Sempre busque o aumento da qualidade de suas joias, bem como o controle dessa qualidade com foco em cada setor individualmente;
  • Informe o Designer de Joias sobre as tecnologias e os processos de produção disponíveis em sua indústria para que ele possa criar de acordo com essa disponibilidade;
  • Esteja atento as tecnologias que são lançadas para o setor produtor de joias. Muitas tecnologias podem facilitar a produção e trazer um menor custo de produção e maior margem de lucro na venda;
  • Incentive seu Designer a procurar conteúdo, livros e cursos que aumentem a criatividade para a criação de novas joias;
  • Invista em criações com mistura de materiais e também materiais ecologicamente corretos;
  • Esteja atento e se integre aos novos meios de comunicação virtual, como redes sociais e plataformas que possam ser usadas para fazer marketing e vendas pela internet;
  • Defina quem são seus públicos alvos e desenvolva suas joias baseados nas tendências para esses públicos;
  • Busque parcerias com lojas varejistas e lojas de departamentos que possam exportar suas semijoias.
Para o Designer de Joias

  •  Desenvolva da melhor maneira possível a sua fala. Sua maneira de se comunicar é a primeira impressão que é notada para você vender seus serviços e produtos com segurança e qualidade!
  • Estude sobre design, tendência e público alvo para direcionar suas criações e designs corretamente no mercado;
  • Pesquise sobre os processos de produção joalheira e sobre novas tecnologias, como também em como usar tudo isso de maneira correta no desenvolvimento das joias;
  • Aprenda sobre criação de joias com matérias-primas diferentes e com misturas de materiais;
  • Desenvolva o máximo que puder seu lado criativo. Essa é uma capacidade que pode ser desenvolvida por qualquer pessoa. Não é um dom!
  • Peça um relatório de vendas mensal das joias que você criou, compare-os e questione o porquê um modelo vendeu mais que o outro;
  • Esteja atento ao processo de produção e busque saber se há problemas ou dificuldade durante a produção das joias que você criou;
  • Entenda a diferença entre valor e preço para cobrar por seu serviço de maneira correta;
  • Se você faz a modelagem 3D da joia, domine as ferramentas do software que você trabalha;
  • Seja sempre aberto a sugestões e muito curioso sobre tudo que envolve a indústria de joias;
  • Leia sobre moda, repare nas joias que aparecem nas novelas e acompanhe as Fashion Weeks nacionais e internacionais para antecipar tendências.

Muito bem! As informações e soluções estão lançadas! Estas são só algumas sugestões para seu desenvolvimento profissional e empresarial.

Está mais do que claro que, o mercado de joias está cheio de oportunidades para crescer e faturar, e que o designer e o produtor, precisam e devem tomar posse dessas oportunidades! Vamos pôr as mãos à obra?

 

Você sabe o valor da informação? Eu acredito que ela pode ser a diferença entre realizar ou não um sonho.”

 

Fontes de pesquisas e referências: Forbes | Ibmec | Revista PEGN

 

 

Driely – a designer de joias

 

SITE | FACEBOOK INSTAGRAM | YOUTUBE | TWITTER | LINKEDIN

15 COMENTÁRIOS

  1. Olá Driely, achei interessante a matéria e suas observações. Mas lembre-se de colocar as fontes das referências que você pesquisou, dará mais credibilidade ao que está sendo falado. 🙂

    • Olá Ramos! Me desculpe, eu vou adicionar as referências na matéria. Obrigada por me lembrar! O que você não encontrar nas referências, são de minha experiência profissional. Converso com muitos produtores e profissionais do ramo joalheiro, o que me dá a vantagem de saber em primeira mão sobre as _verdadeiras_ necessidades do mercado de joias e mercado de trabalho do setor. Também faço pesquisas informais e estudo em fontes internacionais, que estão muito a frente do Brasil em questões de necessidade, investimento, organização, pesquisa, informação e etc. Qualquer dúvida estou à disposição! 🙂 Obrigada por ler a matéria!

  2. Boa Tarde Driely!

    Primeiramente parabéns pelo artigo, muito instrutivo.
    Estou estudando para entrar em atividade comercial no setor e no momento procurando eventos como seminários, palestra e workshops e feiras do mercado de semi-jóias.
    Você teria alguma sugestão de evento o qual eu poderia aprender mais sobre o público potencial comprador?

    Grato

    Alexandre

    • Olá Alexandre. Perdão pela demora em resposta.

      O público potencial comprador tem a ver primeiro com o tipo de joias que você trabalha. Você pode trabalhar escolhendo um público alvo e depois os modelos que encaixam nesse público, ou escolhendo o tipo de joia que prefere trabalhar e depois determinar o público que interage com esse tipo de joia. O estudo de público alvo, envolve cultura, classe social, a atual condição política e leis que afetam essa classe (porque isso modifica os hábitos, compras, necessidades e supérfluos), moda, estilo desse público, idade, preferências, personalidade, aina outras coisas mais. É um estudo complexo, porque por exemplo, dentro da classe social media, tem um grupo menor que é clássico, outro é esportivo, outro é boho, e dentro de cada grupo menor, preferencias e hábitos mudam, e assim por diante. Comece escolhendo o público ou tipo de joia, e daí vá refinando a pesquisa.
      Eu não conheço muitas fontes de pesquisa. Mas o Google ajuda muito, e claro, não pegue a primeira informação que aparece na página. Se vc pesquisar um tópico como ” o que influencia a compra” veja o máximo de artigos que puder e também pesquise em inglês, eles têm muito mais artigos publicadas sobre os mais diversos assuntos do que nós Brasileiros.

      Espero ter ajudado e obrigada pelo elogio da matéria.
      Estou a disposição!

  3. Olá Driely também estou começando nesse segmento. Moro em Chicago e minha maior dificuldade tem sido informação. Tenho criatividade de sobra mas sinto que falta material de pesquisa sobre a parte de produção do design de joia como semi joia.

    • Olá Bella. Realmente a informação publicada é pouca nessa área. Você conseguirá boas informações com produtores ai em Chicago mesmo, mas tem que entrar na rede deles, fazer amizades e se entrosar com o pessoal da mesma área. O processo de produção do Brasil é diferente em alguns detalhes daí, portanto você pode optar por fabricar do modo brasileiro, mas para isso adquirir todo o conhecimento de produção, maquinários, e treinar pessoal ou fazer você mesma, ou pode fazer da maneira que é a cultura daí. O melhor é você se munir de informação e pesar os prós e contras de cada meio de produção, para ver o melhor caminho para você. Precisando estou à disposição. Bons negócios!

  4. Trabalho num ramo totalmente diferente, mas “enxerguei” um mundo de possibilidades nesse mercado de trabalho. Estou conhecendo empresas para me tornar consultora de negócios de semi-joias e estou confiante em meu crescimento profissional, mesmo o país vivendo a crise financeira atual. Irei fazer a diferença num país em que todos se titulam iguais.

    • Olá Andreza. Boa sorte em seu ideais. Esse mercado precisa mesmo de pessoas mais qualificadas e humildes para compartilhar informação, porque uma grande maioria que estão nesse ramo e tem informação não compartilha com medo de perder seu lugar no mercado. Precisando de qualquer ajuda, estou à disposição. Fico muito feliz em saber que meu artigo tocou sua vida.

  5. Bom dia, eu estou estudando o mercado de jóias e semi-jóias para ajudar um amigo que quer investir pesado nisso, estou cuidando do business design para ele, e achei essa matéria incrível, especialmente o elemento sobre as classes A e B estarem migrando para o mercado das semi-jóias devido a um maior interesse na relação custo-benefício causado pela pressão de uma economia em depressão. Isso é muito relevante do ponto de vista do investimento. Ele chegou a comentar que tem observado isso na experiência direta, uma vez que já atua no ramo, o que aumenta a credibilidade de sua informação.
    Assim, uma sugestão, com toda minha delicadeza, para mim que sou investidor, é fundamental saber precisamente de onde vem os dados sobre cada uma das afirmações na análise feita por alguém que atua no mercado que pretendo atuar, e nesse caso, se você pudesse pontuar, em futuras publicações, a fonte específica daquela afirmação específica, colocando um número ao lado, e postando o link no final da reportagem, ao lado do número, isso seria de grande valor comercial.
    Por exemplo:

    “. Esse mercado tem uma avaliação de crescimento de até 6% ao ano, e até 2020 as vendas do setor poderão chegar a US$ 250 bilhões anuais.(1)”

    CORPO DO TEXTO

    FIM DO TEXTO

    (1) https://www.forbes.com/sites/deborahweinswig/2016/04/14/as-fine-jewelry-moves-online-the-market-sparkles/#c3bf10774ae1

  6. Uma outra coisa que é de grande valor comercial é o toque que você dá sobre a mão de obra ser sub-capacitada nesse mercado, tornando claro que um investimento nesse ponto é um diferencial mercado. O afirmado sobre a figura do Designer de Jóias não ter acesso a informação de qualidade, nem a tecnologia, nem a alguma forma de qualificação séria é outro ponto de potencial milionário, uma vez que se tenha uma visão clara da logística necessária para tornar isso viável, e o quanto pode ser ganho no médio prazo, ao se preencher essa ineficiência de mercado, isso foi dinheiro de graça que você deu à aqueles que “tem olhos para ver”.
    A respeito disso, onde eu posso encontrar informações mais profundas, sobre esse ponto especificamente, por gentileza?
    Onde eu descubro o tipo de tecnologia que um Designer usa?
    Onde posso me informar sobre quais são os lideres no setor dessa tecnologia?
    Qual é a referência de cursos de Design no caso?
    Uma vez que há a demanda, o que impede a oferta de chegar aqui?
    Você tem conhecimento de onde reside o desafio logístico?
    Ou no caso, se eu estiver abusando de sua boa vontade, pode ao menos me indicar como posso aprender sobre isso, por gentileza?

  7. Olá Novamente Rex Georges.

    O Tipo de tecnologia que um Designer usa: Hardware para modelagem 3D de joias – Eu recomendo um PC ou Notebook com memória de pelo menos 4GB + Placa de Vídeo com 2GB ou mais e processador com velocidade a partir de 2 GHz.
    Software – tem vários, como o Rhinoceros, Matrix Gemvision, SpaceClain, Rhinogold, e outras marcas bem menos conhecidas. Os mais usados são o Rhinogold (que já vem com com as ferramentas de cravação de pedras) e o Rhinoceros e Matrix junto (este último é um plugin que completa o Rhino com as ferramentas de cravação e mais alguns adicionais). Eu uso o Rhino e o Matrix. Eu nunca usei o Rhinogold, mas vendo alguns vídeos do programa achei mais complexo o modo de inserção de pedras, porém isso não deve ser considerado, porque minha habilidade com o Matrix é porque comecei com ele direto.
    Para peças orgânicas, os Designers costumam usar o ZBrush.
    E para correções das peças e deixa-las prontas para prototipagem, usam o Materialize Magics.

    Os líderes das tecnologias: Rhino conseguimos contatos facilmente no Brasil, o Matrix é um programa alemão, e eu já tentei negociar com eles pra facilitar a aquisição do programa aqui no Brasil, expliquei a situação salarial da categoria, que a categoria está em crescimento, que gostaria de representa-los aqui no Brasil, entre outras coisas e a resposta que obtive foi que “os problemas culturais e geo-políticos do Brasil estão fora do alcance de ação deles”, inclusive citando sobre corrupção e disse que não dará descontos ou fornecerá qualquer coisa para “combater esses problemas”. Não foi sobre isso que eu disse pra ele, mas ele entendeu assim. A licença do Matrix está em torno de 20 mil reais. Olhando este valor e por conhecer muitas pessoas da área, afirmo que 99,9% dos softwares usados são piratas. O Rhino talvez não nesta porcentagem, mas o Matrix sim.

    Cursos: Eu iniciei com um curso básico de Rhino numa instituição famosa que tem por todo o Brasil. Mas o que aprende-se no curso é o uso de algumas ferramentas básicas, e pouquíssima informação técnica referente ao processo de produção. A minha sorte foi que eu fiz esse curso e fui trabalhar numa fábrica ao lado do meu professor, então eu ganhava um salário para aprender mais sobre o programa. Outras informações sobre ferramentas e processo de produção eu adquiri por esforço próprio e curiosidade. Não conheço outros nomes que valham a pena ser citados.
    Eu tenho planos de desenvolver um curso Básico, Intermediário e Avançado na área, com as informações sobre Design, Criatividade, Produção e outras referentes ao mercado, mas devido ao tempo ainda não consegui tirar do Papel.

    Demanda e Oferta, você se refere às joias em si? Se for isto ai tem a ver com Design e Público. Neste caso, veja a resposta que dei neste final de semana, acima da sua, para o Alexandre. Ali falo brevemente sobre o tema.

    Na minha opinião o desafio logístico da indústria de joias e semijoias, é a inovação. A grande maioria das indústrias não investem no profissional ou não querem pagar o valor que o freelance cobra pela inovação (quando ele atinge isso), e daí eles não se “esforçam” para criar, copiam e se inspiram em peças existentes fazendo pequenas mudanças e ainda vendem a mesma peça para outras indústrias para ter o retorno necessário. Também tem a questão de como tem sido tratado e atendido do cliente final, em sua maioria mulheres. Eu falo isto na matéria que passeei pra você na sua pergunta anterior.

    Em breve trarei novas matérias sobre a área, com mais detalhes.
    Mais uma vez, obrigada por ler e fico muito grata por poder estar contribuindo de alguma forma para a melhora deste setor.
    Estou a disposição, qualquer coisa entre em contato comigo por e-mail – driely.adesigner@gmail.com e me siga nas redes sociais (Face, Insta), @Driely.adesigner. Quando há novas matérias eu divulgo nesses canais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here