Financiamento da máquina pública. Estamos prontos?

1
98

Cartão FecomércioPR

Não há tempo para se preparar a mudança já começou.

O Brasil vem enfrentando um dos seus maiores desafios na economia. Está andando aos trancos e barrancos para conter os gastos e pagar a dívida pública, reflexo da má fase política e administrativa dos recursos arrecadados. A fala dos novos governantes é “não gastar”, porém para gerar dinheiro é preciso que alguém faça investimento, logo, não necessariamente os estados no país viverão apenas para pagar contas. Quem irá assumir o custo, mais uma vez, será o povo, com uma diferença: o caminho será árduo, no entanto a expectativa é de crescimento.

Antes de categorizar certos caminhos que a economia pode tomar, é necessário entender porque os reflexos destes custos estão tão presentes na vida do brasileiro ultimamente. A diferença deste conflito para os que aconteceram anteriormente na história é o poder de compra. Tivemos acesso à qualidade de vida, isto vai desde a educação até a saúde com estatísticas impressionantes nunca conquistadas.

A chegada da classe média no mercado manteve os motores ligados, “todos” tinham o direito e a possibilidade, de fato, de consumir o que quisessem, mas nem tudo são as mil maravilhas a marolinha finalmente chegou ao país e todo este acesso foi junto com a onda dos milagres deixando grãos não de areia, mas de contas para quem gastou sem pensar no amanhã. E não julgo quem gastou, afinal se não comprasse naquele momento, qual seria a chance de gastar novamente?

Aliada à falta de governo a dívida pública caminhou junto do brasileiro que está perdido tanto na sua ideologia política quanto para onde foi o seu bolso com aqueles vinténs que havia conquistado com tanto custo. Estes aspectos negativos (e só negativos) chegam à conclusão de que a conta não fecha.

O ano é novo, mas a recessão continua. O Produto Interno Bruto (PIB) tem previsão de alta de 0,5% neste ano, já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) pode ficar com 4,87% em dezembro aumentando a expectativa de chegar à meta da inflação. A taxa de juros deste ano esta prevista a fechar com 11,25%.

O que isto quer dizer? O corte da taxa de juros deve ajudar na oferta de crédito ao consumidor e nas condições de investimento da economia. Até o meio do ano ainda se falará em desemprego (Curitiba tem uma taxa de mais 30 mil vagas de empregos perdidas, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – Caged) e demissões, com uma ressalva que este último diminuirá, pois as estruturas nas empresas estarão mais amarradas, aliás, é o empresário e as famílias que irão ditar através de seus controles financeiros como o país irá trilhar a partir de agora. Os empresários entram com os seus planos de negócio e as famílias se organizam para pagar o seu consumo.

Outros aspectos que tendem a mudar é a volta dos aluguéis, carnês, consórcios e estabilização na conquista da casa própria. Em meio à crise será mais difícil investir em um imóvel. O Banco Central terá em suas mãos o poder de direcionar a economia já que o Congresso está quebrado. Tudo indica aumento nos impostos e aplicação de projetos de privatização e incentivo de obras estruturais, pois as aprovações das emendas e medidas provisórias demoraram a ter impacto no país.

Já a tsunami Lava a Jato intensificou os registros dos gastos e irá nos beneficiar quanto ao desempenho dos novos prefeitos já que os governadores estão em uma situação lastimável não só com relação a sua atividade pública como também em relação a sua postura como governante. A boa perspectiva é de que os políticos sejam obrigados a seguir a risca a planilha de gastos visando cortes a privilegiados, suspendendo reajustes, coordenando uma nova estrutura em suas bases.

As perspectivas não são claras e objetivas o bastante para indicar o cenário brasileiro, porém 2017 promete ao menos aos empresários um direcionamento de controle de seus custos. Uns dizem cinco anos outros reduzem para 12 meses o restabelecimento da economia do país, mas a maioria dos especialistas é categórica em dizer que enquanto a crise política persistir nós teremos problemas em fechar as nossas contas.

Afinal, dependemos de investidores para apostar no Brasil. Ninguém quer levar produto quebrado pra casa, não é?

 

A Empreendedora

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorDiga com quem andas e eu te direi…quem eu sou.
Próximo artigoO que leva as mulheres a tornar-se empreendedoras?
A Empreendedora
A EMPREENDEDORA é uma revista empresarial eletrônica, focada especialmente no público empresarial feminino. Com formato arrojado, atualizado e versátil, apresenta uma visão progressista que valoriza o importante papel da mulher contemporânea, não apenas no mundo empresarial, mas na formação dos conceitos da sociedade do Século XXI, que busca um mundo mais justo, solidário, igualitário e fraterno. Com conteúdo relevante e diversificado, A EMPREENDEDORA retrata a vida e cotidiano da mulher moderna, independente e empreendedora, que valoriza a família, seus sonhos, projetos e profissão, sua ideologia, sua saúde e bem-estar e seu enorme e respeitável papel na sociedade. Desenvolvida, produzida e editada pela Ao Ponto News, conta com o apoio do Sindilojas Curitiba, entre outras entidades sindicais patronais e associações de mulheres, de diversas regiões do Brasil, obtendo assim abrangência nacional.

1 COMENTÁRIO

  1. Muito boa a análise. Que possamos ser otimistas quanto aos rumos do nosso país e construir novos caminhos para dar respostas a este momento político e econômico..

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here