O Arresto & O Empreendedorismo – “O Mal é um Bem Deslocado”.

0
159
Arresto

Tenho como mantra que “O Mal é um Bem Deslocado”.

Nessa narrativa a seguir, comprovo isso. E poderia contar das várias vezes em que isso aconteceu.

Claro que havia altos e baixos entre o casal tanto no lado pessoal como financeiro.

E eu sempre ativa, ganhando (e guardando) meu dinheirinho das aulas de piano, violão e inglês.

Certa ocasião por conta de um empreendimento em Bauru, na área de laminação, pelo meu ex, tive que me mudar para lá.

Claro, continuei com as aulas mas tinha espaço vazio no dia a dia, na alma e no coração. Preferia estar em sampa. E eis que, desse mal que me assolava, inventei. Criei, ousei! Comprei dezenas de peças de gesso, tintas, betume, solvente e passei a pintar de todas as formas essas peças. Em três meses, o galpão do quintal da minha casa, virou um ateliê e dezenas de pessoas vinham para comprar “minhas obras”. Quando estava para montar algo maior e contratar pessoas para me ajudar, eis que tudo mudou de novo.

Nesse verão, tínhamos alugado um apartamento na praia de Pitangueiras. Para minha surpresa, num dos finais de semana que o ex tinha ido se juntar a nós, fui comunicada que voltaríamos para São Paulo porque havia entrado ladrão na nossa casa e levado a minha linda sala de jantar, aparelho de som, TV, sofás, tapetes, etc..

Bom essa foi a versão que ele me comunicou. Logo depois veio a real. Com a ajuda de uma eterna amiga fiquei sabendo a verdade.

Nossas coisas haviam sido arrestadas para pagamento de divida. Isso mesmo. Arrestadas. E lá fui eu, aos prantos, empacotar as coisas mais miúdas já que as grandes tinham levado embora.

Sempre fui tão organizada com minhas coisas, tenho apreço por elas, cuido, zelo. Como eu podia ficar sem? Claro que consegui. Eram coisas materiais e eu poderia, aos poucos ir comprando de novo. Além do mais onde fica a gratidão nessa vida? Meus filhos maravilhosos, um casamento estável, família, capacidade de trabalho. Isso era o que realmente importava. “RESPIRA. TÁ TUDO AÍ”.

Arrumei alunos novamente e cheguei a 35 por semana. Me rendiam bem, mesmo porque sempre soube cobrar. Sempre tive a certeza que dava uma aula diferenciada então, valia.

Me matriculei na Joyce ballet. Pronto. Resolvi resgatar o sonho de dançar. Era quase felicidade total. Seria, não fosse o fato de que, ao término da apresentação quando as bailarinas iam para o hall para serem abraçadas, cumprimentadas, eu não me desse conta com olhar de soslaio de algo que me murchava. Enquanto recebia cumprimentos de um e de outro, o marido ao lado, estava de braços cruzados, boca fechada, sem nenhum sorriso, testa sisuda, sem dizer uma palavra, esperando aquele “porre” terminar.

E com isso fui apagando meu fogo de dançar. Passei a curtir tocar violão em casa, na dos amigos. Onde fosse. Novamente, topei com cara feia. Oh céus, oh vida. Que fazer? Tinha que fazer algo para dinamizar mais minha vida.

Com toda essa repressão, desconforto, rezava para Deus me trazer algo que pudesse me distrair e, melhor ainda, que me fizesse ganhar mais dinheiro. “Cuidado com seus desejos, que eles podem se realizar”… aprendi anos depois em cursos de PNL.

Até que um dia encomendei uma roupa de antílope numa loja. Pelo menos, eu pensava que era. Não era. Descobri depois. Ao perceber o tipo de confecção, aquele tecido macio, parecia mesmo antílope, me ocorreu que “EU” poderia fazer outros modelos para mim e com certeza, bem mais em conta. Indaguei, pesquisei, me virei e… para minha surpresa, aquela peça que eu comprara, acamurçada, gostosa, era a segunda camada, o miolo do couro de vaca, logo após o couro – couro mesmo, esse com que se fazem sofás, estofados. Não sei como conseguem fazer isso. Tirar a película interna e deixar apenas a que imitava, pra caramba, o antílope. Mesmo porque esse animal não existe no Brasil e custaria uma fortuna importar.

NOTA – Há cerca de 91 espécies de antílopes, a maioria das quais são nativas da África, mais do que qualquer outro continente, mas alguns estão na Ásia. Muitas espécies de antílopes foram introduzidas em outras partes do mundo, especialmente nos USA, para caça exótica. Fonte -Wikipédia

Lá fui eu descobrir onde tinha isso para vender.

No Brás. Lojas e mais lojas. Havia peças de todas as cores pois elas são tingidas. Compra-se “por vaca”. Dependendo da peça a fazer usa-se uma ou duas peles. Comprei três. Faria um vestido, uma saia e uma blusa. Difícil de costurar mas consegui na minha máquina de costura, inseparável e não industrial. Quebrei dezenas de agulhas. Mas por fim… Sucesso! As roupas ficaram prontas. E eis que me deparo com muitos retalhos que sobraram. “O que fazer com isso?”… pensei. O “cérebro” foi feito para isso, já dizia o filósofo. Junta daqui e dali, fiz uma gargantilha, colando uma tira que amarraria no pescoço. Mas, e o acabamento? Não tardou imaginei que ficaria lindo com rebites prata ou ouro, ilhoses de vários tamanhos, o que inclusive seguraria mais firmemente o que havia colado. E ainda era necessário o botão de pressão para fechar.

Toca para 25 de Março. Comprei várias caixas, com vários tamanhos das peças e claro o torno para colocação. Fiz gargantilhas, pulseiras, lencinho em triângulo para pescoço e a cada dia que ia para academia dançar, usava uma. De cara, a moçada já indagou onde tinha comprado.

Saí de lá com várias encomendas. Na semana seguinte levei uma sacola com vários modelos e cores. Aí perguntaram se eu não fazia roupa também, além do acessório. “Claro”, respondi com uma peculiar ousadia.

Em um mês foram tantos pedidos que contratei uma costureira e comecei a produzir. Por encomenda ou porque podia fazer qualquer coisa que alguém iria comprar. Ganhei muuuuito dinheiro e poupei muito também. Isso porque, de cada peça que eu produzia, sobravam todos os retalhos. Deles, eu fazia de tudo. Até saída de praia. Só com sua venda e das pecinhas menores já pagava a pele inteira e sobrava. Então, o que eu vendia dava mais de 200% de lucro.

Virei uma empreendedora quando na época nem se ouvia falar dessa palavra. Em seis meses já não estava mais dando conta de tanto pedido. E mais $$$ no banco. Por 2 anos, virei modelista de um só tecido. E tive ganhos realmente incríveis.

Então… “O mal não é mesmo um bem deslocado?”

Tal crise me transformou em algo inimaginável empreendendo numa área que nunca sonhara!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorQualificação do Varejo – Nacional e Internacional
Próximo artigoAutoimagem X Autoestima – Seu Poder de Conquista
Betth Ripolli
É empresária musical há 27 anos à frente da Harmonia Eventos Musicais; Comunicadora de TV online, apresentadora do Sintonia programa semanal de variedades pela ALLTV; Pianista profissional e compositora, com 5 CDs gravados com banda feminina Harmonia; Palestrante motivacional com música ao vivo e banda feminina; Autora do livro “A AUTOCONFIANÇA, O OXIGÊNIO DA VIDA...respira...está tudo aí!”; Voluntária em causas sociais e engajada em movimentos de igualdade racial, cotas, assédio, violência contra mulher etc..

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here