O sexo incomoda muita gente, mas a falta… pode incomodar muito mais

0
73

Hoje fala-se muito de gays, lésbicas, bissexuais, travestis, transexuais e tantos outros, mas fala-se muito pouco sobre @s assexuais. Não que eles e elas não existam desde sempre, mas é pouco falado e infelizmente muita gente desconhece, nunca ouviu falar, acha estranho, impossível e fala do que não conhece como se fosse phD no assunto.

Os assexuais são pessoas que não sentem desejo sexual por ninguém, independente de sexo e gênero. Não é uma escolha moral ou religiosa, não é o celibato (estado daquele que não é casado, está solteiro) ou abstinência sexual (ausência de práticas sexuais), já que nesses casos o desejo existe. Ser assexual não é uma escolha, está intrínseco ao indivíduo.

Apesar de ser um pouco mais compreendida, ainda há controvérsias se é uma patologia ou uma orientação sexual. Pelo fato de não causar incômodos, angústias e nem outros sentimentos negativos, muitos profissionais da área da saúde defendem que a assexualidade não deve ser considerada uma patologia. Já outros profissionais argumentam que a sexualidade é algo inerente ao ser humano, e que a diminuição da Libido (do desejo) é algo a ser tratado.

Os assexuais se classificam em cinco tipos:

  • Os hetero-românticos ou tipo A que sentem atração romântica por indivíduos do gênero oposto;
  • Os homo-românticos ou tipo B que sentem atração romântica por indivíduos do mesmo gênero;
  • Os bi-românticos ou tipo C que sentem atração romântica por indivíduos de ambos os gêneros;
  • Os pan-românticos ou tipo D que sentem atração romântica por todos os tipos de indivíduos;
  • Os a-românticos ou tipo E que não sentem atração romântica por ninguém.

Engana-se quem pensa que por não sentir atração sexual, essas pessoas não possuam sentimentos, emoções, vontade de interagir e até de se apaixonar. Um ser assexual não é necessariamente antissocial e nem contra o ato sexual, apenas supre seus desejos e necessidades de outras formas. Há aqueles que ocasionalmente, mais por um impulso fisiológico do que pela necessidade do sexo, preferem se masturbar e assim se satisfazem. Também não quer dizer que por serem assexuais não tem práticas sexuais. Apesar de não sentirem desejos sexuais, muitas vezes se sentem na obrigação de corresponder seus parceiros ou parceiras ou até mesmo para reprodução, e acabam se forçando a fazer sexo.

Algumas religiões consideram a assexualidade como uma condição superior de espiritualidade. Acredita-se que os santos eram assexuais. Outras religiões tem o sexo como sagrado, onde o desejo e o ato sexual não são condenados. Apesar dessa disparidade, essa população não sofre tanto com a condenação religiosa como algumas outras formas de expressão da sexualidade.

O assunto sexo é um tabu, mas a sociedade que vivemos é totalmente sexual. Contraditório, não? Pois é.

O mundo é mais que dois opostos, é mais que isso ou aquilo, é mais que azul ou rosa, é mais que oito ou oitenta. Saiba os seus limites, mas jamais limite-se. Abra seus horizontes, principalmente sua mente.

 

Bárbara Dalcanale Menêses
Psicóloga, Psicodramatista e Terapeuta Sexual (Sexóloga)
CRP 06/58842-0

Instagram: @barbaramenesespsi
Facebook: Barbara Dalcanale Menêses
Email: pergunteparabarbara@gmail.com
Fone: (19) 996021824

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here