Signo das Árvores – Samanea saman

0
209

Simbologia atribuída aos druidas, sacerdotes celtas que viveram nas regiões da Gália (França) e da Irlanda durante a Idade Média que, mantinham uma relação vital com as árvores.

Os Druidas viviam nas florestas e enxergavam o sagrado em cada detalhe da vida, nas plantas, animais, chuva e sol. Para eles a árvore reunia a ideia do cosmo, ao viver em contínua regeneração. Era muito amplo o simbolismo na sua verticalidade: “vida em completa evolução, numa ascensão permanente ao céu”.

Para representar cada tipo de personalidade esses antigos sábios escolheram diferentes árvores que estavam associadas a determinadas forças e características. Adaptado para o Hemisfério Sul, o oráculo traz árvores tropicais como o coqueiro e a goiabeira. Carvalho, ipê, oliveira e jacarandá representam datas especiais de mudanças das estações.

Samanea saman 

Inspirada na beleza desta árvore rara, de copa extensa e frondosa e em reconhecimento à importância da espécie, exclusiva em São José dos Campos, nasceu o projeto Signo das Árvores como temática para a 29º Exposição Nipo-brasileira.

São 21 árvores apresentadas nas mais diversas formas de expressão. Entre elas, “O Diálogo de Olhares” com exposição de fotos, desenhos, poemas e esculturas em vidro, a performance dos alunos onde os textos são dramatizados para que a pessoa descubra curiosidades sobre sua personalidade e tenha um olhar especial à árvore de seu signo e à prática dos cuidados com a natureza.

A Samanea saman tornou-se o símbolo do Centro de Formação do Educador, conceito vinculado à proteção, pelo seu formato de guarda-chuva, à terra fértil por ser conhecida como “arvore da chuva” e à flor, uma explosão em cor similar aos fogos de artifício; tudo em analogia à Educação regada pelo conhecimento, ética, alegria e a permanente evolução.

Foto: Portal Prefeitura de São José dos Campos
Foto: Portal Prefeitura de São José dos Campos (Samanea saman)

Patrimônio Histórico e Paisagístico de São José dos Campos
Projeto do Agrônomo Rogério Romero Mazzero – Decreto 14.878-12 –SEMEA e COMPHAC

Um espécime arbóreo centenário tornou-se patrimônio ambiental, imune ao corte em São José dos Campos, São Paulo através de decreto municipal de 10 de fevereiro de 2012. Com o nome científico de Samanea saman, a espécie é conhecida popularmente como Árvore da Chuva ou Chorona e se encontra na área do Parque da Cidade em Santana.

Não há registro de outro exemplar desta espécie no município e com o decreto, passa a ser um elemento perene na paisagem do parque.

A árvore tem copa extensa e frondosa, atingindo 30 metros de diâmetro e 10 de altura.

A Trilha de Olhares, formada por um fotógrafo (Gilmar Duenas), uma poetisa (Mirian Menezes) e uma artista plástica colunista da Revista A Empreendedora Tita Selicani, levou a Exposição Verde Órion à Paris no “Le Carrousel du Louvre” pela Divine Academíe Expose e conquistou Medalha de Ouro em 2014. A proposta de levar as quatro mais belas áreas verdes de São José dos Campos incluía nossa linda e soberana Samanea saman.

 

Imagem de destaque: Colunista Tita Selicani homenageando o empresário, proprietário da Ao Ponto News, o jornalista e assessor de comunicação empresarial e sindical do Sindilojas Curitiba, Gerson Ricardo Garcia, idealizador e produtor da Revista A Empreendedora, com uma replica da obra original “Samanea saman” exposta no “Le Carrousel du Louvre”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here