Felicidade – “Um instante de vida que vale por ele mesmo”

0
6480
Felicidade
Felicidade – “Um instante de vida que vale por ele mesmo”

Como fazer da felicidade uma alternativa para o sofrimento?

Felicidade – Concebê-la como um instante de vida que vale por ele mesmo, em momentos de crise como o que estamos passando parece um contrassenso.

Mas não é. A Pandemia do Covid-19 vem acarretando muitas perdas: de vidas, de saúde, de emprego e até mesmo de liberdade; porém, precisamos criar alternativas para amenizar tantas tristezas e sofrimentos.

Agora mais do que nunca precisamos falar sobre o tema e, principalmente, viver a felicidade em sua plenitude.

Para os gregos, felicidade é “Um instante de vida que vale por ele mesmo”. Ou seja, a felicidade está no momento presente ou, como afirma Jacob Levi Moreno, no “aqui e agora”.

Não está em ter. Portanto, não queira viver a felicidade quando tiver as condições materiais adequadas, o carro do ano, a casa na praia, o emprego dos sonhos ou o relacionamento ideal.

Sua felicidade só está condicionada ao ser feliz. Pois, felicidade é uma experiência pessoal e intransferível, ou seja, ninguém pode fazer você feliz; apenas você pode ser feliz.

Mark Twain diz que existem dois dias que são os mais importantes de nossas vidas: o dia em que você nasce e o dia que você descobre o porquê.

Felicidade está relacionada ao nosso propósito de vida, à nossa missão. O que você está fazendo aqui nessa existência? Qual o sentido de sua vida? Viver uma vida sem propósito é gastar uma vida inteira a procura da felicidade e nunca a encontrar. Felicidade é um estado do ser.

Vivemos em uma sociedade em que se cultua a Fake felicidade. Todos são obrigados a mostrar-se feliz. Mesmo que não seja feliz.

Observamos nas redes sociais que ninguém está triste, ansioso ou deprimidos, como se fosse uma regra social: ser apenas feliz. Mas, sabemos que essa realidade não é a verdade. E está tudo bem não ser todos os dias felizes.

A tristeza faz parte da vida; é ela que faz com que valorizemos a felicidade como meta e objetivo. Ninguém vai escapar da tristeza, mas, é fundamental distinguir o estar triste por um motivo plausível de ser triste.

Ao mesmo tempo em que há uma exigência social em manter uma felicidade Fake, observamos uma verdadeira corrida para fugir da felicidade. Estamos correndo o tempo todo da felicidade.

Trabalhamos apenas para obter um salário no fim do mês, estudamos apenas para passar de ano, nos relacionamos apenas para não estar sozinhos, casamos para manter as convenções sociais, nos reproduzimos por acidente de percursos, vamos nos aposentar e morrer. E, por fim, iremos nos arrepender por não ter vivido e por não ter se permitido ser feliz.

Essas são as constatações que a enfermeira australiana Bronne Ware teve ao trabalhar nos cuidados com doentes terminais nas suas últimas 12 horas de vida.

Ela relacionou os 5 arrependimentos que as pessoas têm nos últimos momentos de vida: não ter coragem de viver uma vida verdadeira para mim e não aquela que as pessoas esperavam de mim; não ter trabalhado tanto; não ter expressado melhor meus sentimentos; não ter tido mais contato com meus amigos; não ter me permitido ser mais feliz.

Curiosamente, dois deles estão relacionados à constatação da falta de felicidade na vida.

Essa constatação é representada na música dos Titãs denominada Epitáfio, onde o compositor expressa não o que fez, mas o que deveria ter feito. Como podemos observar nessa estrofe:

“Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer

Um exercício importante para pensarmos em nossas vidas e valorizar ela, é pensar na morte. Estamos prontos para a partida?

Em tempos de Pandemia, com tantas mortes ocorrendo e a pressão de quem e/ou quando será o próximo, é fundamental que façamos essas reflexões e oportunizemos uma chance para a vida e para a felicidade nas pequenas coisas e ações do dia a dia.

Pois, como afirma o filósofo Espinoza, a felicidade ou a alegria é um estado que possibilita uma maior potência interna do ser. O que nós chamamos de motivação interna ou intrínseca. Você precisa ter um motivo para agir, viver e ser feliz.

A Psicologia Positiva nos oferece importantes reflexões sobre a verdadeira felicidade. Aqui desejamos destacar o estado de Flow, que consiste em um estado mental onde a pessoa vive plenamente o momento presente, o aqui e agora, com um profundo engajamento, envolvimento e foco.

Quem é que já esteve realizando uma atividade onde nem viu o tempo passar?

É nesses momentos que a vida acontece como tem que ser, de verdade e com felicidade.

Deixaremos aqui 5 passos para que você possa começar seu treinamento em busca da felicidade:

  1. Autoconhecimento – descubra o que você gosta de fazer, pois, estará vivendo o seu propósito e sua missão de vida. E aprenderá a viver para fazer só o que gosta. Esteja de férias todos os dias!
  2. Mude seu Mindset – observa os seus pensamentos: nós somos o que pensamos. Alimente sua mente com atividades positivas, ouça músicas agradáveis, converse com pessoas positivas, assista programas e filmes positivos. Você merece ser feliz!
  3. Valorize a simplicidade – a felicidade é um estado do ser, portanto, seja feliz com as pequenas coisas da vida. Tire momentos para ser feliz!
  4. Desenvolva sua motivação interna – precisamos compreender o motivo para qualquer ação, tarefas ou atividade que vamos realizar. Faça suas atividades, por mais simples que sejam, com foco, amor e concentração.
  5. Viva as suas tristezas – Não tenha medo ou vergonha de viver seus momentos de tristeza ou dor. Elas fazem parte da vida real e legítima. Lembre-se: nesses momentos você está triste, mas, você não é triste.

Desejamos que com essas orientações você possa ser um agente de felicidade; não podemos mudar o mundo, mas, podemos mudar as pessoas e, as pessoas sim podem mudar o mundo. Que tal começar pelo seu mundo?

Desejamos muitas felicidades para todos e todas!

Titãs – Epitáfio (MTV Ao vivo)

Clique aqui e acesse, curta e compartilhe minhas outras matérias.

Artigo anteriorCyberpunk 2077, o game mais esperado dos últimos anos
Próximo artigoBullying na Educação de Superdotados, definição e intervenção
Sirley Machado Maciel, tem 48 anos e é casada há 28 anos com Rui Valese, com quem têm de um filho lindo e inteligente, chamado Gabriel Vinicius. É Mestre em Tecnologia e Sociedade (UTFPR). É Bacharel em Artes Cênicas pela PUCPR, Pós-Graduação em Psicodrama e Psicodrama Pedagógico (FEBRAP), Educação a Distância pela Faculdade do Senac (SP) e Psicoterapia Transgenerativa, pelo Instituto de Regressão do Brasil e FATECPR. É Master Coaching, com atuação em Coaching Executivo, PNL, Analista Comportamental Pessoal e Profissional Internacional, Terapeuta Internacional de Barras de Access. Hipnóloga Terapêutica, é autora de livros na área de oratória e psicodrama e co-autora na área de coaching. Presidente do INTREPEDS – Instituto de Treinamentos, Pesquisa e Desenvolvimento do Ser e, em 2018, recebeu o Prêmio Profissionais do Ano como maior autoridade em oratória do Estado do Paraná, em reconhecimento aos 30 anos de trabalho como professora de oratória. Em 2019 recebeu o Prêmio THE WINNER AWARDS, concedido pela International Business Magazine, e o Prêmio Brazil Quality Summit 2019, concedido pela Latin American Quality Institute, como "Empresa Brasileira do Ano 2019" e ela a Empresária do ano de 2019. É uma pessoa de propósitos fortes e acredita que todas as mudanças passam pelo desenvolvimento integral do ser humano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui