Dia do Diabetes

Dia do Diabetes, 14 de novembro

Diabetes, uma Doença Causada Por Falta de Insulina

Dia do Diabetes, 14 de novembro, é comemorado desde 1991. Pois nesse dia nasceu o cientista Sir Frederick Banting, codescobridor da insulina, juntamente com Charles Best.

Dia 14 e no mês inteiro de novembro são realizadas ações para o combate de diabetes, como palestras e exames gratuitos, em locais públicos em tendas do SUS, por exemplos.

Diabetes Mellitus (DM) é uma síndrome metabólica de raiz diversa, provocada pela ausência de insulina e/ou da incapacidade de a insulina praticar corretamente suas funções.

A insulina é fabricada pelo pâncreas.

Suas funções são: organização do metabolismo da glicose e a falta desse hormônio gera problemas na metabolização da glicose e, por consequência, diabetes.

A doença surge por grandes taxas de açúcar no sangue, hiperglicemia, o tempo inteiro.

Existem vários tipos de diabetes:

  • Tipo 1: provocada pela destruição das células geradoras de insulina, por causa da deficiência do sistema imunológico em que os anticorpos acabam com as células que criam a insulina. Geralmente surge na infância ou na adolescência.
  • Tipo 2: surge quando o sistema não usa corretamente a insulina que faz ou não produz na quantidade ideal para balancear a taxa de glicemia. Cerca de 90% das pessoas com diabetes possuem o Tipo 2. Está ligada à má alimentação, falta de exercício físico e obesidade.
  • Gestacional: aparece durante a gravidez.

Os principais sintomas de diabetes são:

  • Sede constante;
  • Vontade de urinar toda a hora;
  • Fadiga;
  • Vômito;
  • Infecções constantes;
  • Visão embaçada;
  • Problemas na cicatrização de feridas;
  • Formigamento nos pés;
  • Furúnculos.

Como evitar diabetes:

  • Realizar exames de rotina;
  • Fazer exercícios físicos;
  • Não fumar;
  • Não usar drogas;
  • Evitar açúcar e gorduras em excesso.

 

Escrevi um poema sobre, Diabetes, sobre um fato que aconteceu comigo na infância e relacionamento com o mês de combate a essa síndrome:

 

Poema de Diabetes

 Quando eu era criança ingênua como um lago

Pensava que diabetes eram as bailarinas do diabo

Mas a professora explicou que é uma síndrome do metabolismo

Então ela desenhou no quadro com todo o profissionalismo

 

Diabetes é como uma bailarina

Que não possui insulina

Para controlar o açúcar no sistema

Então ela tropeça nesse problema

 

Mas para evitar sofrimento

Diabetes tem tratamento

Então faça exercícios, evite consumir gorduras

Doces, embutidos e frituras

 

No mês de novembro médicos e enfermeiros

Estarão nas praças e parques da cidade

Para consultas e exames gratuitos e faceiros

No objetivo de identificar diabetes de verdade.

Luciana do Rocio Mallon

 

Para tornar o artigo didático, entrevistei uma médica sobre o assunto:

Entrevistada: Dra. Lívia Franco | Médica pediatra endocrinologista e docente do curso de Medicina do Centro Universitário Max Planck (UniMAX Indaiatuba), do Grupo UniEduK

  1. O que é diabetes?

O diabetes é um conjunto de alterações causadas no organismo pela ausência da insulina ou dificuldade de ação da mesma. A insulina é um hormônio responsável por auxiliar na transformação do carboidrato dos alimentos (açúcar) em energia.

Quando temos dificuldade nessa transformação, falta energia para o funcionamento do organismo e sobra açúcar no sangue, danificando certos órgãos e causando alterações principalmente nos nervos, além de aumentar o risco dos eventos cardiovasculares.

  1. Quais são os tipos diferentes de diabetes?

Existem diversos tipos de diabetes, mas temos como tipos mais comuns o diabetes tipo 1, diabetes tipo 2 e diabetes gestacional.

Como eu sou endocrinologista pediátrica, vou considerar o diabetes tipo 1, que é mais comum nas crianças; e o diabetes tipo 2, que está atrelada à obesidade e que vem crescendo os casos na adolescência por esse motivo.

  1. Como se adquire esses tipos de diabetes?

O diabetes tipo 1 é uma doença autoimune, ou seja, o próprio organismo ataca o órgão produtor de insulina, chamado pâncreas.

Isso acontece nas crianças que apresentam uma predisposição para a doença. E, diante de um fator desencadeante (infecção e estresse, por exemplo), inicia-se o quadro de diabetes tipo 1.

Essas crianças costumam apresentar aumento do apetite, sede excessiva, perda de peso e urina excessiva (como apresentar xixi na cama).

Nesses casos, não é comum ter familiares portadores do diabetes tipo 1. O diabetes tipo 2 está relacionada com a obesidade, sedentarismo, hábitos alimentares pouco saudáveis e histórico familiar.

Nesse caso, ocorre uma resistência à ação da insulina, então é como se o açúcar tivesse dificuldade de se transformar em energia.

A maioria dos casos ocorre em adultos, pois o quadro tem uma instalação insidiosa, e no geral é assintomático.

Mas, em crianças maiores e adolescentes, atualmente notamos um aumento dos casos, devido à frequência do uso de telas, ao sedentarismo e a má alimentação, que consequentemente leva à obesidade.

  1. Como tratar diabetes?

O diabetes tipo 1 é tratada com a administração da insulina exógena, ou seja, é oferecido ao paciente a insulina necessária para transformar seu carboidrato em energia, fazendo o papel de produção do pâncreas.

Essa medicação é injetável, subcutânea e há diversas alternativas para administração.

Já no tipo 2, inicialmente é tratada com a mudança do estilo de vida, tendo grande resposta a esse tratamento e não sendo necessário associar outras medidas.

Mas, quando apenas a mudança do estilo de vida não é suficiente ou quando o paciente não consegue manter essas modificações, podemos necessitar de medicamento via oral.

Há diversas opções de medicamentos e no geral eles trabalham reduzindo o açúcar do sangue ou aumentando a produção de insulina. Em alguns casos mais graves, é necessário também associar o uso da insulina.

Agora, compartilhe essa importante matéria com os seus conhecidos para que a informação chegue para o maior número de pessoas possíveis.

Entre em contato para mais informações pelo Instagram: @lucianamallon

Clique aqui e acesse, curta e compartilhe minhas outras matérias

Compartilhar

Facebook
Twitter
LinkedIn
Email
Telegram
Pular para o conteúdo