O movimento da energia é fonte de entusiasmo e harmonia na vida

2
582
Jiro Murai e Mary Burmeister

A energia está em nós e se expressa em nosso comportamento

A Arte ancestral do Jin Shin Jyutsu® Fisio-Filosofia revela que o movimento da energia é fonte de entusiasmo e harmonia na vida.

Mary Burmeister afirmou: “a energia é o entusiasmo em movimento”, e, “escute apenas a harmonia.” (1)

Buscar a harmonia para que nosso entusiasmo não fique estagnado é saber bem-viver com energia.

O ano novo chegou! Muito movimento fora e dentro de nós. Há entusiasmo, intenções e promessas para o futuro, com novos projetos. Há também recordações de processos vividos no passado que nos invadem.

Nessa conexão entre futuro e passado nos situamos no presente. Isso ocorreu comigo. Senti muita energia junto à família.

Convivemos com alegria e harmonia. Olhamos a queima dos fogos à meia noite.

Após a celebração, caminhei com minha neta, de madrugada, pela orla. Com os pés molhados de mar, transportei-me ao ano 2007 e de volta a 2018.

Pensei comigo: finalmente, a formação tão desejada: sou praticante autorizada da Arte ancestral do Jin Shin Jyutsu®.

A ideia me anima: contribuir para que mais pessoas vivenciem o seu melhor movimento na vida, ao se conhecerem e se harmonizarem no corpo físico, mental e espiritual para o restabelecimento de atitudes que as prejudicam no fluir da energia. Isso já ocorreu comigo!

Em 2007, ao receber o diagnóstico de que era portadora de Hepatite C, muito desespero e dúvidas vivenciei, próprios de uma revelação desse tipo. Fiz duas biópsias, a genotipagem, e, exames de sangue para início dos medicamentos.

Graças ao protocolo do SUS e medicamentos gratuitos, assegurei, junto com a família, a viabilidade do tratamento. “Interferon & Ribavirina” não me devastaram, como a tantos outros pacientes, colegas da mesma travessia.

Consegui me curar após a primeira tentativa de tratamento, coisa que não era tão comum com uso dos medicamentos mais convencionais. Hoje, o protocolo é bem mais avançado e a cura ocorre com maior frequência, graças a Deus.

A busca de uma prática de harmonização de energia, que me desse suporte, além do uso dos medicamentos, me conduziu à descoberta do aprendizado contínuo da Arte do Jin Shin Jyutsu, que me trouxe confiança e bem estar no decorrer do tratamento.

O que nos anima e nos dá leveza na vida é a energia, em seus fluxos corretos. Por outro lado, o desânimo e a fadiga surgem quando há bloqueios em partes do nosso corpo. No decorrer do pesado tratamento da Hepatite C, senti leveza e entusiasmo, mesmo com anemia pelo uso dos medicamentos.

Fiz o primeiro curso de autoaplicação, em 2007, e não parei mais. Os três Seminários Básicos, indispensáveis à formação de um praticante autorizado para atender a pessoas envolvidas em algum projeto de saúde e/ou desejosas de aprimoramento no seu bem-viver, foram feitos entre 2008 e 2018.

No decorrer da minha formação, realizei práticas e experimentações, a fim de desenvolver minha visão pessoal sobre Jin Shin Jyutsu, através de autoaplicação, que consiste na abordagem introdutória da Arte.

A arte menciona as profundidades existentes em nosso corpo. Em seu conjunto, podem ser vistas como o trajeto que um rio percorre, desde sua nascente até sua foz, com penetração e alargamento, desde sua margem até a camada mais profunda.

Assim, o rio corre num trajeto delimitado e no caminho que faz, encontra obstáculos que bloqueiam sua fluidez. Ao serem removidos, o rio volta a seu leito.

Os fatores são externos a ele, originários de poluição e de descuido humano, acidentes no terreno que impedem seu trajeto, entre outros, que acarretam a alteração do nível e da qualidade da água.

Usando uma analogia, a energia que está em nós, pode ser vista como um rio. Temos as nossas margens que é a superfície da pele – recobrindo nosso corpo como o órgão mais extenso.

De acordo com a Arte do Jin Shin Jyutsu, é nossa primeira profundidade. Ela nos contém e nos delimita.

A seguir, encontra-se o tecido conjuntivo que reveste nossos órgãos, numa pele interna, que é denominada de segunda profundidade, aquela que faz a integração entre todas as partes do nosso corpo.

A terceira profundidade é constituída pela essência do sangue que nutre nosso corpo e regula a harmonia interior que necessitamos para viver com saúde.

O sistema muscular, responsável pelo movimento e por nossa fluidez, que deve funcionar sem enrijecer e paralizar, constitui a quarta profundidade.

A quinta profundidade refere-se à estrutura, aos ossos, em que a energia se torna mais densa e constrói o sistema esquelético.

Energeticamente, ainda possuímos uma sexta profundidade que reflete “a transição entre o universo “impessoal” e nossa experiência humana pessoal. Consequentemente, ela é a fonte de nossa energia vital. Essa fonte alimenta todos os nossos órgãos e todas as formas de energia materializáveis presentes em nós.” (2)

Para usufruirmos de um estado de saúde com boa qualidade, é preciso que a energia flua em nossos corpos, no trajeto previsto para que cada célula assuma sua função nos órgãos, em seus sistemas, e, entre os sistemas.

O desequilíbrio, com interrupção da harmonia perfeita dessa energia, pode ser causado por vários fatores externos a nós.

Esses podem ser identificados: por estilo de vida, estresse, sedentarismo, “hábitos diários de alimentação e trabalho, por características hereditárias, por ambiente muito seco ou muito úmido, condições climáticas, ansiedades emocionais e mentais, acidentes que causem lesões ou por injeções de elementos venenosos no corpo”. (3)

Se estamos harmonizados, nosso corpo físico, mente, emoções e espírito estarão em equilíbrio, pulsando no mesmo ritmo. Porém, nossa liberdade com aprendizados limitadores resultam em bloqueios de energia que conduzem a “atitudes” inadequadas que ocorrem junto aos “projetos”.

Na Arte ancestral do Jin Shin Jyutsu, a palavra “projeto” substitui a palavra “doença”. Cada um de nós, como parte do Universo, somos um pulsar único num mesmo ritmo. É essencial cuidar deste pulsar na expressão pessoal para que não haja bloqueios e travamentos.

Sabemos que muitos comportamentos surgem e desaparecem em nossas vidas. Isso é comum, mesmo com as emoções mais fortes. Mas, quando essas emoções persistem, de forma contínua, elas nos desarmonizam junto aos bloqueios da energia e recebem o nome de “atitudes” no Jin Shin Jyutsu.

Cada atitude corresponde a uma profundidade e amplia os efeitos desarmonizadores presentes nos “projetos”. Traz desequilíbrio para áreas de nosso corpo, nossa mente e nosso espírito.

Na primeira profundidade, a atitude relacionada é a preocupação ou a ansiedade. O que nos aflige está ligado ao futuro, antes de acontecer.

A tristeza, que acompanha as perdas acontecidas ou apenas imaginadas, prende-se ao passado e está relacionada à segunda profundidade.

A terceira profundidade é prejudicada, energeticamente, pela atitude da raiva, que pode expressar-se como frustração, ciúmes, inveja. Nessa atitude, as expectativas de que os outros, ou, o mundo, nos faça feliz são contrariadas pelo mundo real ou apenas por um sentimento interior.

O medo é a atitude que diz respeito a nossa quarta profundidade, com comportamentos emocionais tais como inibição, covardia, rigidez. É o medo que nos paraliza, devido à insegurança quanto a nossa sobrevivência física, mental, emocional ou espiritual.

Na quinta profundidade, a atitude resultante da desarmonia é a pretensão, que consiste em esforçar-se demasiadamente para aparentar o que não somos e fingir para atender às expectativas dos outros.

O desalento, como uma grande falta de ânimo, é a atitude relacionada ao desequilíbrio da sexta profundidade. “A energia é o entusiasmo em movimento”, falou Mary Burmeister (1918-2008), e, completou: “escute apenas a harmonia.” (4).

Foi ela quem introduziu no Ocidente a Arte do Jin Shin Jyutsu, como praticante, pesquisadora e criadora de um sistema de formação.

No Oriente, essa sabedoria ancestral que significa, por seu ideograma – “a Arte do Criador através da Pessoa de Compaixão” – foi elaborada e sistematizada, no início do século XX, por um japonês: Jiro Murai (1886 – 1960) (5)

Uma peculiaridade do Jin Shin Jyutsu Fisio-Filosofia é também usar Fisio-Psicologia e Fisio-Fisiologia, em conjunto, o que proporciona um sistema completo de apoio conceitual e prático para si mesmo e para os outros.

As práticas compreendem a autoaplicação, por qualquer interessado, e, a aplicação por meio de praticantes autorizados.

Esse atendimento ocorre em consultórios, hospitais e domicílios, em vários estados do Brasil e em outros países.

Há professores no Brasil (*) e no Exterior responsáveis pela formação de praticantes. Vídeos de vários países são divulgados em canais, no Youtube, além de páginas específicas no Facebook e blogs.

Entre os vídeos, selecionamos um que demonstra como é fácil harmonizar as atitudes, com o uso de nossas mãos que são os instrumentos para obter o reequilíbrio dos fluxos de energia nas duas práticas de vivência da Arte.(7)

Pela minha prática bastante inicial nesta Arte, elaborei este texto, com base nos cursos e estudos em Jin Shin Jyutsu , Erika Ramos, Sua Vida em Suas Mãos com Iole Lebensztajn, Alessander Palma e Margareth U. Serra, (todos grandes instrutores na Arte e meus mestres até aqui). O que nos anima ou desanima, nos fadiga ou nos dá leveza, na vida, é a energia que percorre como um rio o nosso corpo mais sutil até o corpo mais denso, e, do mais denso ao mais sutil. Essa energia circula num oval, subindo pelas costas e descendo pela frente de nosso corpo, penetrando nas diversas profundidades (6 em cada um de nós) desde a pele externa (primeira) até os ossos (quinta) e a centelha do espírito (sexta profundidade). A grosso modo, essas profundidades são as camadas de energia que percorrem o físico, o emocional, o mental e o espiritual. Para gozarmos de um estado de "saúde" é preciso que a energia flua em nossos corpos como um rio para que cada célula assuma sua função nos órgãos,em seus sitemas e entre os sistemas. Mas como um rio, este fluxo pode ficar bloqueado, por pouco ou muito tempo, em uma parte ou em muitas, por entulhos que impedem o ritmo mais perfeito da nutrição e da eliminação, da inspiração e da exalação entre outras funções. Quando ocorre um desequilíbrio devido a nossas atitudes, surge um "projeto" para ser tratado nestas camadas que caracterizam nosso ser individual. (nesta Arte ancestral do JSJ não usamos a palavra "doença", nem doente). Todo o universo, e, nós como parte dele, somos um pulsar único num mesmo ritmo. Se estamos harmonizados com este pulsar, nosso físico, mente, emoção e espírito estarão em equilíbrio, mas esse equilíbrio não é inalterado e nossa liberdade nos conduz a "atitudes" inadequadas que podem gerar "projetos" durante nossas vidas, que fazem oscilar nosso estado de saúde. Recentemente, foi lançado um vídeo para mostrar como é fácil harmonizar as emoções (atitudes) com o uso de nossas mãos. Essa harmonização percorre as camadas citadas e busca o equilíbrio entre elas. Confere neste vídeo. Feliz Páscoa! Vamos ressurgir a cada dia para o nosso melhor!

Publicado por Corina Ramos em Domingo, 1 de abril de 2018

“Abraçar” com suavidade cada dedo das mãos constitui uma forma simples de alcançar a harmonia nas diversas profundidades.

Esse é o processo mais singelo e eficaz de autoaplicação para que flua a energia da forma adequada.

Ao conhecer essa prática, o leitor e a leitora poderão usá-la regularmente, sentindo os efeitos benéficos em sua vida.

Referências:

  1. PFLUEGER, L e WENNINGER, M (comp).O que Mary diz….P (impresso, traduzido por SCHINNER, T), Escritório Brasileiro do Jin Shin Jyutsu,1997.p.20-1
  2. BURMEISTER, A e MONTE, T. O Toque da Cura. S.P, Ground, 2007. p. 40
  3. Burmeister, M. Texto II. Fisio-Filosofia: Natureza- Realidade sem esforço.Arizona, Jin Shin Jyutsu,INC, 1997. p 2
  4. PFLUEGER, L e WENNINGER, M (comp).O que Mary diz….P (impresso, traduzido por SCHINNER, T), Escritório Brasileiro do Jin Shin Jyutsu,1997.p.20-1
  5. Foto de Jiro Murai capturada na publicação Facebook Jin Shin Jyutsu Curitiba, de Maria do Rosário Quitério, em 07-02-2019
  6. Foto de Mary Burmeister capturada no site do Escritório Jin Shin Jyutsu Brasil na página Catálogo, em 07-02-2019
  7. Vídeo elaborado pelo Escritório Jin Shin Jyutsu Brasil e capturado no Facebook na página Emnovação Educação & Cultura, em 07-01-2019 https://www.facebook.com/amorarubra/?epa=SEARCH_BOX

(*) Até hoje são três professores brasileiros habilitados para formação dos praticantes autorizados: Carlos Gutterres, Iole Lebensztajn e Margareth Umeoka Serra (tive a felicidade de realizar um Seminário Básico de Jin Shin Jyutsu com cada um)

Artigo anteriorEm uma comunicação o óbvio não precisa ser dito?
Próximo artigoEmpoderamento feminino na Moda Plus Size
Amora Rubra
Corina Ramos é educadora e acredita na educação no sentido amplo, além da escola, junto à cultura e sociedade, numa educação continuada. Professora universitária e consultora no meio escolar, organizações de terceiro setor e empresarial. Tem publicações na área de educação, tecnologia e currículo. É idealizadora de propostas de educação a distância, educação corporativa e educação continuada para professores e profissionais das mais variadas áreas. Participou da cocriação de muitos projetos educacionais, entre os quais: "Perspectivação", uma estratégia curricular de educação executiva empresarial no ISAE/FGV e "Observatório dos Adolescentes" nas escolas públicas e universidades estaduais. É microempreendedora individual, organizando publicações diversas na área da educação. Lançou recentemente, na rede Facebook, usando o codinome de Amora Rubra, o Método das Chaves, sistematizado por ela e aplicado para autoconhecimento e desenvolvimento de competências pessoais para melhor expressão pessoal. A partir de 2019, tornou-se praticante autorizada da Arte ancestral do Jin Shin Jyutsu®.

2 COMENTÁRIOS

  1. Otimo artigo, Amora Rubra, acrescentou muito conhecimento.
    Há pouco tempo estava com muitas dores no joelho, o que mais fazer? Entao , mesmo desconhecendo o que era Jin Shin Jyutsu, submeti me às sessões, e já na terceira sessão as dores desapareceram, fantástico, pensei que mágica, foi com se tirasse com as mãos como se diz. Não foi mágica, foi a energia de que somos formados, que harmonizou se, atraves de toque da cura, aplicado pela sra Corina.

    • Obrigada pelo teu testemunho, Cleuzeli. Esta tua energia harmonizada pode te ajudar em qualquer projeto de saúde. Percebi como te sentiste bem após as três sessões antes da viagem e sei que continuas te aplicando alguns fluxos que vão te reequilibrando nas diversas fases. Grata por te permitir experimentar. Um abraço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here