Volta às Aulas e das Papelarias

Escolas e livrarias são portais ao futuro

Volta às aulas e das papelarias ocorre em fevereiro, porque geralmente na primeira quinzena dele, as férias escolares acabam e as escolas voltam ao seu funcionamento normal.

Isso é um dos fatores que causa a tão falada fevereirite, que forma o estresse, a angústia e a ansiedade particulares que surgem no segundo mês do ano.

Mas há dicas para diminuir o estresse da volta às aulas:

  • Quinze dias antes da volta às aulas, acorde a criança no horário normal de ir para a escola;
  • Compre material escolar no mínimo quinze dias antes de começar o período escolar para evitar aglomerações e preços abusivos;
  • Converse com seu filho sobre a importância de estudar e adquirir conhecimentos;
  • Fale com as crianças sobre a importância de respeitar as diferenças em ambiente escolar;
  • Mostre suas fotos da época da escola explicando como era divertido estudar;
  • Para economizar na compra de material escolar, procure mães que têm filhos na mesma escola sobre a possibilidade de comprar livros e uniformes usados em bom estado com preços acessíveis;
  • Verifique se na lista de material escolar não há nenhum pedido abusivo de algum item, como por exemplo: papel higiênico, caso exista converse com a direção;
  • Para economizar no dinheiro do lanche, de uma forma saudável, coloque uma fruta na lancheira do seu filho, pois geralmente frutas têm vitaminas e assim a família não fica refém dos preços das cantinas;
  • Diga para a criança que só familiares e pessoas autorizadas, com testemunhas, pela família podem levar e buscar o menor para a aula;
  • Fale ao seu filho que ninguém pode tocar em seu corpo sem sua autorização seja na escola ou não;
  • Descubra quais alunos e mães moram perto da sua casa para formar uma nova rede de apoio;
  • Eduque boas maneiras e respeito à criança no próprio lar, pois a escola só tem a obrigação de ensinar conhecimentos gerais, habilidades profissionais e cultura ao seu filho, aliás a criança deve desenvolver a empatia na família, pois os pais não devem terceirizar o desenvolvimento dessa habilidade que deve ser ensinada nos lares.
  • Diga à criança que os livros escolares devem ser preservados para que outro aluno aproveite no ano que vem.

Então no começo de fevereiro, livrarias e papelarias lotam com pais comprando materiais escolares para os filhos.

Por isso o comércio nomeou fevereiro como o mês oficial das livrarias e papelarias.

Mas nem sempre o nosso país obedeceu a essa ordem.

Os jesuítas foram os primeiros professores do Brasil.

Eles também fundaram as primeiras escolas em territórios brasileiros.

Muitos historiadores consideram, José de Anchieta, o primeiro professor formal, com fama internacional, que foi registrado no Brasil. Pois ele alfabetizava tanto índios como brancos e há registros documentais sobre isso.

Pode ser que antes, o Brasil já tivesse alguns professores, mas sem registros comprovados fisicamente em documentos e sem a fama internacional que José de Anchieta tinha.

Assim, os jesuítas fundaram as primeiras escolas formais no Brasil por volta de 1553 como constam em registros históricos.

Já por volta de 1600, as famílias ricas contratavam professoras particulares chamadas de preceptoras, moças cultas que geralmente estudaram em conventos e eram oriundas de famílias abastadas.

Elas ensinavam para as crianças: alfabetização, leitura, interpretação de texto, Matemática, História, Geografia, etc.

O período de contratação dessas preceptoras ficava a cargo da vontade dos pais dos alunos.

Já, os jesuítas, em suas escolas, instituíram férias escolares em dezembro e janeiro. Eles também colocaram a volta às aulas na primeira quinzena de fevereiro.

Quando os jesuítas foram expulsos pelo Marquês de Pombal em 1759, outras instituições religiosas passam a trabalhar com a área de Educação.

Assim escolas religiosas particulares surgiram, muitas delas em regime de internato.

Sabe aquela frase famosa que toda a “mãe braba” diz abaixo?:

Se você não se comportar, irá para o colégio interno!”

Então, essa frase acima veio daquela época. Pois os colégios internos eram dirigidos por religiosos, que além de instrução intelectual, também ensinavam disciplina de forma rígida.

No final do século dezenove surgiu, no Brasil, a educação pública estatal, que imitava o calendário das escolas religiosas.

Mas os religiosos, padres e freiras, produziam materiais escolares e livros didáticos usados em aulas e também vendiam para pessoas da comunidade.

Assim eles realizavam atividades de livreiros.

A livraria considerada mais antiga do país, que não foi fundada por um religioso, chama-se Ao Livro Verde, localizada em Campos dos Goytacazes.

Essa livraria que também é papelaria, foi fundada em 13 de junho de 1844, por José Vaz Correa Coimbra.

Antes disso o comércio de papelaria era realizado por religiosos ou donos de mercearias simples.

Antes de 1844, as pessoas encomendavam livros em seminários ou com os proprietários de mercadinhos.

Com a fundação de diversas livrarias e papelarias em meados do século dezenove um novo comércio surgiu.

Pois, a partir dessa data, além de encomendar materiais escolares e livros em armazéns as pessoas tiveram as opções das livrarias.

As papelarias tiveram seus auges do começo do século vinte até o ano de 2010, quando a Tecnologia entrou para revolucionar esse mercado.

Pois com computadores caseiros muitas pessoas puderam montar seus próprios cadernos e imprimir livros.

Por isso, a partir de 2010, muitas livrarias e papelarias fecharam em todo o Brasil.

Em 2020, por causa da pandemia, algumas livrarias físicas faliram de vez.

Mas nesse mesmo período, surgiu o avanço de papelarias virtuais personalizadas comandadas por empreendedores individuais.

A papelaria personalizada fabrica materiais escolares do jeito que o cliente pedir.

Porém se você foi criança entre 1910 e 2010, deve lembrar que naquela época, comprar material escolar era um evento maravilhoso.

Fui criança nos anos 80 e eu esperava ansiosamente para fevereiro chegar só para ir à livraria comprar material escolar com minha família.

Geralmente, eu pedia no Natal presentes relacionado com a volta às aulas, por exemplos: estojo e cadernos com minhas personagens favoritas.

Além de sonhar com outros itens de papelarias como: papéis de cartas, borrachas cheirosas, caneta de dez cores, etc.

Mas, hoje, existem dicas para os pais economizarem na compra de materiais escolares em lojas físicas:

  • Leve a lista de material escolar dada pelo próprio colégio refletindo se aquele mesmo material é realmente necessário;
  • Não leve as crianças junto porque os pequenos geralmente escolhem materiais com personagens que geralmente são mais caros;
  • Pesquise os preços em diversos estabelecimentos físicos diferentes;
  • Cuidado para não cair em golpes em compras pela Internet.

Outro setor que sofreu mudança com o passar do tempo foi o das escolas particulares.

Pois, hoje ser dono de escola particular não é fácil.

Para mostrar a realidade de uma empreendedora na área de Educação, entrevistei a dona da escola Bilusco, Marli Terezinha Zabot Maschio.

Marli foi professora primária durante muito tempo no estado.

Essa professora fundou a escola, Bilusco, em 1991 quando percebeu que não conseguia babás e nem escolas para cuidar do seu filho Willian, mais conhecido como Bill, que tinha problemas auditivos.

Ela escolheu o nome Bilusco porque essa palavra significa duas luzes no consciente, ou seja, a luz feminina e a luz masculina.

De 1991 até agora, Marli enfrentou altos e baixos, como exemplos: crise econômica e Pandemia. Mas segundo ela, todo esse esforço vale à pena até hoje:

Entrevista com essa dona de escola abaixo:

  • Como surgiu a escola Bilusco?

A escola Bilusco surgiu por conta da necessidade de cuidar do filho mais novo. Pois as babás não queriam cuidar, aí pedi exoneração do estado. Abri uma pequena escola para cuidar do meu filho quase surdo. Pois era um meio de ajudar outras mães com a mesma dificuldade. Isso foi em meados de 1991. Exatamente há 33 anos quando meu filho tinha 4 aninhos com problemas auditivos

  • Há quanto tempo existe a escola Bilusco?

Desde meados de 1991

  • Quais os maiores desafios em empreender numa escola particular?

Um dos maiores desafios é a burocracia, formação de equipe pedagógica com pessoas comprometidas que tenham força, fé e coragem absurdamente grande. Pois o tempo não parou e a saúde definhou. Além disso, para manter uma instituição de ensino precisamos mostrar e passar confiança aos pais através de um ambiente sempre inovador repleto de pessoas cultas e amorosas. Aliás, o desafio e construir uma equipe coesa.

  • Quais séries a criança pode frequentar na escola Bilusco?

Hoje temos para ofertar as séries iniciais as quais carinhosamente 8dentificamos como:

    • Nível 1 descoberta
    • Nível 2 garatuchas
    • Nível 3 pré silábica
    • Nível 4 semi alfabetização
    • Nível 5 alfabetização

1° ao 5° ano e também, que chamamos de fundamental 1.

  • Quais são as dicas que você dá para pais e alunos na volta às aulas?

Dicas importantes nessa volta as aulas:

Que todos venham tranquilos: mestres e alunos. Pois tantos os professores quanto os estudantes juntamente com espaço acolhedor se sentirão protegidos. Pois toda a escola deve visar um relacionamento amplo com os pais e familiares.

Livrarias, papelarias e volta às aulas sempre tiveram ligados entre si.

Assim, abaixo tem a entrevista com uma empreendedora da área de papelaria, Ana Oliveira, proprietária da Papermall:

  • Quando foi fundada a papelaria?

10 de junho de 2011.

  • Quais são os maiores desafios de trabalhar com papelaria?

A sazonalidade do mercado, vende muito no final do ano e outros meses não.

  • Como a papelaria sobreviveu à pandemia?

Através de vendas pelo WhatsApp e entregas.

  • Quais os materiais escolares mais procurados nessa volta às aulas?

Cadernos, lápis e borrachas e apontadores

  • Quais são as expectativas da volta às aulas de 2024?

Temos expectativas de de crescimento, porque fizemos compras mais assertivas e estratégicas baseadas no comportamento do consumidor de volta às aulas anteriores

Então, agora aproveite as dicas do texto acima para que seu filho tenha um retorno às aulas de forma calma e proveitosa.

Entre em contato para mais informações pelo Instagram: @lucianamallon

Clique aqui e acesse, curta e compartilhe minhas outras matérias

Compartilhar

Facebook
Twitter
LinkedIn
Email
Telegram
Pular para o conteúdo