As pequenas frutas nos Campos de Cima da Serra gaúcha

0
56
As pequenas frutas
As pequenas frutas nos Campos de Cima da Serra gaúcha

O frio realçando o sabor da fruta

As pequenas frutas nos Campos de Cima da Serra gaúcha têm sua produção favorecida pelo clima frio, inverno bastante rigoroso.

As horas de frio são fundamentais para o desenvolvimento e o sabor de determinadas frutas.

A região de Vacaria (no Nordeste do Rio Grande do Sul) foi uma das pioneiras no cultivo da maçã, desde os idos da década de setenta e até hoje tem destaque nacional na produção e comercialização desse setor.

Mas a economia do município não se acomodou.

O Agronegócio, pilar da economia local e pioneiro em muitas práticas agrossilvopastoris e agroindustriais, vêm inovando e apostando em outros mercados de frutas: as pequenas frutas.

Pequenas frutas pelo porte delicado do produto, mas com enorme potencial econômico e de sabor inigualável.

As pequenas frutas que referimos são Amora, Framboesa, Mirtilo, Morango e Phisalys, como uma nova alternativa para os produtores rurais da região.

A fruticultura é uma das atividades que mais aglutina mão de obra, nas diversas atividades inerentes ao pomar, como podas, desbastes, raleio e colheita. Dentre as várias opções de espécies frutíferas com boas perspectivas de comercialização, surgem às pequenas frutas como um grupo dos mais promissores. (PIO, R.; CHAGAS, E. A. XX Congresso Brasileiro de Fruticultura- Vitória-ES. 

Cultivo de pequenas frutas vermelhas e frutas de caroço em regiões tropicais/ Rafael Pio, Edvan Alves Chagas. Vitória, ES: Incaper, 2008. 28p.).

A economia agrícola amparada na inovação e coragem dos produtores fomenta a união dos setores ligados ao rural e agroindustrial. E, as pequenas frutas, aparecem no agronegócio para chancelar essa inciativa e colocar no mercado interno e externo, novas alternativas econômicas e de valor agregado à produção primária.

O mercado alvo são as grandes redes de supermercados.

E, mais, o mercado europeu.

A segurança na comercialização está na dependência da qualidade, variedade das frutas produzidas e das exigências e preferências do consumidor.

Mas, o que o consumidor quer?

Em uma análise rápida e superficial, sem adentrar nas diversas possibilidades que o produto pode ser apresentado ao mercado final, o consumidor quer fruta de qualidade e preferencialmente in natura (fruta fresca), sem passar muito tempo entre os processos de armazenamento em câmaras frias e logísticas de distribuição e comercialização que possam comprometer o sabor original.

As pequenas frutas são uma das novas estrelas do agronegócio brasileiro.

Há que se primar pela qualidade e boas práticas agrícolas, visando agregar maior valor ao setor.

Os investimentos em tecnologias de armazenagem proporcionam uma durabilidade maior e preservam as características originais e nutricionais dos produtos, outro ponto a ser explorado pelos produtores com vistas à valorização do setor: conhecer e divulgar as qualidades funcionais e, assim, apostar no aumento do consumo de pequenas frutas.

Acesse outras matérias de minha autoria, clique aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui